quarta-feira, 12 de novembro de 2008

Boné

Boné rima com chulé.
Chulé na bolha do pé.
Pé-de-moleque, quem "qué"?

Eca. Chulé, bolha, pé.
Tudo pra falar boné.
Poderia ser uma palavra qualquer:
Cuca, Saci, Bernabé.

Na cabeça, boné.
No pé, chulé.
Boné vermelho no joelho.
Chulé cheiroso no pescoço.

Boné pra cobrir o cabelo.
Cheiroso cabelo louro.
Que tampa um cordão,
disfarça de ladrão.
Diz que dá no couro.
Couro pra boné.

Tire o boné.
Que avoe o seu cabelo
no meu rosto, em rodopio,
enquanto rio,
de satisfação ao sentir
que posso seguir.
Mas, na realidade,
tudo que posso segurar
é o boné
que cobre o chulé,
da bolha do seu pé.

2 comentários:

Érica disse...

Aiiiii q poema legal! qm fez?
HUAEHEAHIEIOAHAOEIEA
adorei, serio!!

beijaaaaao otaaa!

Yasmin Nariyoshi disse...

um tanto quanto sinestésico.