quarta-feira, 19 de agosto de 2009

Suicídio incompleto

A todos que eu amo,
e sabem que eu os amo,
agradeço pelo amor
e também, pela dor do amor.

Infelizmente, já não quero mais
tudo o que me dás.
A pressão que traz
consigo seu capataz,
não me satisfaz.

Criei meu próprio algoz,
que porventura sou eu,
o qual me faz feroz.
Feroz com o amigo teu.

Amigo este
que agora te escreve.
Da beira da janela.
Com sua infelicidade,
sua dor no coração.
Com sua incapacidade
de se jogar no chão.

Esta carta foi feita,
mas nada mais.
Seu amigo não aceita
não ter mais Paz.

Paz que não tem
por ser três em um.
Ele, eu e quem
só quer ser mais algum.

Paz que foi desfeita
por vos amar demais.
Sua prima, que se enfeita!
Sua amiga, ou algo mais!

Deixo-vos de lado.
Dos meus pais eu me despeço.
Amo-os mesmo atado
ao meu cais submerso.

Submerso em pranto.
Por ter amado tanto.
Por continuar a amar,
desisti de pular.

Digo "tchau" a todos
nessa carta de despedida.
Passando só um rodo
em minha alma despida.

Despida e enfurecida
por dar um "tchau" e não um "oi"
Nessa carta de despedida
de alguém que nunca foi.

3 comentários:

Kamila Gabriel disse...

Qu lindo texto!
Foda!

AntraX disse...

vlw pelo comentario lá
ficou da hr esse texto
abraço

Lizete Miziara disse...

Hummmm...
Quanta dor nesse coração.
Lindo! Vc escreve muito bem.
Te amo.
Bjs.