segunda-feira, 26 de maio de 2008

É aqui que vivemos

Há quinze anos, nascia alguém. Alguém que dizia ser o Super-Homem, que adorava ver televisão, desenho animado, gibis.
De repente, aquele Super-Homem, balançava diferente, o Super-Homem já não salvava o mundo do mal, já não voa mais. Ela salva o mundo do próprio mundo. Os gibis já são descriminados, os desenhos servem pra ganhar dinheiro e o desenho animado só se torna influência.
Vai passando mais um pouco, e aquela criança já pensa em mudar o mundo, pois vê que sendo o Super-Homem não conseguiria mais salvar ninguém. Os gibis são feitos por hobby por ele mesmo, e olha que divertido, os desenhos animados são computadorizados.
Ontem que aquele mini Super-Homem já está com suas idéias fixas na cabeça, seus gibis na mão. desenhos na memória, e o desejo de mudar o mundo, ser rico, famoso, ser tudo que desde pequeno quis, continua no coração.
Pena, morre, hoje, o sonho de alguém que começou a fazer alguma coisa pelo mundo que Deus nos deu.
Morre, hoje, a vontade de ensinar tudo a seus filhos.
Calaram, hoje, a voz daquele que há meros quinze anos nasceu.
Some, hoje, mais um Super-Homem, com seu gibi na mão e as imagens de um mundo melhor.

2 comentários:

Érica disse...

Amei esse texto, sério mesmo *-*!
Ota, te amo um tantooo!
continua colocando textinhos assim, são mó bonitos!
beijoo

Yasmin Nariyoshi disse...

É aqui que vivemos...